Auditório São João Del Rei 1:

 

15:30 – Erivelto Luís de Souza

Patente e transferência de tecnologia para o mercado

O processo de percepção de um possível tema para geração de patente passa mais pela releitura do processo em si do que da criação de um novo princípio técnico. A inovação não precisa ser sempre uma novidade em sua totalidade. Uma reestruturação de princípios já conhecidos, de forma a gerar um novo resultado, combinando de forma inusitada procedimentos e equipamentos já existentes, tem toda a possibilidade de gerar uma inovação tecnológica. No entanto, entre a ideia concebida e a finalização de uma carta patente, outros fatores que não só a criatividade e inovação são importantes. A forma como a ideia é apresentada e ilustrada é fundamental para que o processo seja visto de forma clara e reconhecido como patenteável. Por fim, a imaginação e criatividade técnicas, sempre aliadas aos conhecimentos fundamentais dos princípios apresentados e uma apresentação correta e clara da ideia inovadora, compõem a credibilidade de um registro de novidade tecnológica.

 

Engenheiro Metalúrgico, Mestre e Doutor em Engenharia de Materiais. Especialista em Mecanismos de Desenvolvimento Limpo. Atuou como Coordenador de Pesquisa e Projeto na Fundação Gorceix de 2001 a 2007. Foi Consultor para Registro de Patentes de 1997 a 2009, na TecNouveau Engenharia e Consultoria Técnica Ltda. Foi Engenheiro de Processo e Pesquisa na Vetorial Siderurgia Ltda., de 2007 a 2008. Foi Sócio-Diretor da Minesteel Tecnologies Ltd. na China. 2008-2009.

Foi Professor de Engenharia na UFOP, de 1994 a 1998; na FEAMIG, 2007; na UNIPAC, de 2010 a 2013. Lecionando várias disciplinas de Engenharia.

Foi também Coordenador do Curso de Engenharia de Minas, na UNIPAC Lafaiete, 2010 a 2013. Foi membro do Conselho do CODAP, de 2012 a 2012. Foi Conselheiro do CODEMA/Ouro Branco, de 2015 a 2018.

Desde 2013 é Professor Adjunto na UFSJ, nos cursos de Engenharia, Campus Alto Paraopeba. Atualmente desenvolve projeto de Pós-Doutoramento junto ao ITV/Vale, na área de recuperação de resíduos de mineração.”

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *